9 a 11 de outubro de 2017 - Hotel Majestic Águas de Lindoia - São Paulo

Mensagem do Presidente

O cenário político e econômico do Brasil tem vivido períodos de grandes turbulências. A cada dia, surgem novas investigações, personagens e projetos de leis que interferem no trabalhos das empresas privadas e instituições filantrópicas.

Na área da saúde, o grande desafio das entidades sem fins lucrativos está intrinsicamente ligado ao mercado de trabalho. Conciliar questões de subjetividade dos colaboradores, compreender suas necessidades com os objetivos das entidades é, de fato, um dos maiores desafios em tempos de mudanças.

O mercado exige uma atenção especial aos processos de recrutamento, haja vista a disponibilidade do mercado e o preenchimento de vagas deve ser correto para não acarretar perdas, habilidades e manter a produtividade. Assim quanto aos processos seletivos, devemos nos preocupar que sejam eficazes e, acima de tudo, que respeitem as pessoas.

A falta de recursos financeiros também é outra grande dificuldade dos profissionais de Recursos Humanos e gestão de pessoas deste setor. A escassez de verba, impossibilita os profissionais de desenvolverem ações que fortaleçam a equipe, motive os funcionários e retenha talentos.

Além disso, na gestão de pessoas, o desafio também acontece quando a equipe é composta por pessoas pertencentes a diferentes gerações. A convivência dos profissionais jovens das gerações X e Y, muitas vezes, se confronta com a chegada da geração Z e a retenção dos profissionais experientes (veteranos) em nossas instituições.

Estes momentos de instabilidade agravam ainda mais os desafios já cicatrizados na realidade das entidades sem fins lucrativos, que devem estar preparadas para sobreviver. A análise dos fatos e a busca incessante para nova soluções devem estar na missão das instituições. Sua entidade não está isolada, estão todas vivendo a mesma realidade.

Este é o momento de mudar e a transformação só é possível por meio de debates e compartilhamento de experiências sobre os desafios atuais do setor. Em tempos de crise, aplica-se ciência de fazer ‘mais com o menos’, aprender a criar novas soluções com as ferramentas disponível, no momento.

Edison Ferreira da Silva
Presidente do Sindhosfil

TOP